sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Advertência: A evocação contínua de memórias pode causar efeitos colaterais graves.


A distância entre a vivência e a realidade causa lacunas e dúvidas, impelindo o ser humano a sobrepô-las com "fatos". 

P.S.: A minha semana foi infernal. Mais uma vez eu cheguei ao meu limite. E mais uma vez eu pensei: Eu acho que vou morrer. Mas eu não morri, ainda estou aqui e a conclusão da semana foi que eu não fiz nenhum avanço, só retrocessos. Eu fiz tudo errado, enganei os outros a mim mesma no processo e ainda continuo pensar em como errar mais. Eu nem sei como explicar. Eu sou um erro, mas agora, nesse instante, isso não parece tão ruim. Ontem sim, mas hoje não. Eu ontem li essa frase num livro, enquanto esperava que o trânsito permitisse que o meu ônibus finalmente me tirasse da minha quinta feira dos infernos. Ela me fez pensar e esquecer por um segundo os meus erros. Desabafei. Fim.

2 comentários:

natália di santis. disse...

As vezes precisamos dar um passo para trás para então darmos dois passos a frente... Por sinal, qual era o livro?
Boa semana e nervos mais acalmados, beijos.

Renata Becker disse...

O livro é uma coletânea de contos de um escritor aqui de Santa Catarina, Salim Miguel. E meus nervos já se acalmaram, obrigada, mas de vez em quando eu preciso soltar os meus gritos silenciosos. Eles são uma espécie de catarse.