segunda-feira, 2 de abril de 2012

É ou não é?



É a vida!
E como não seria?
Salvo a morte,
o que mais não é?
Nada, tudo é vida.
A vida, eterna
consternação só
de quem a vive.

Um comentário:

João Felipe Gomes disse...

Poema lindo! Escrever é isso: brincar com as palavras, relatar momentos e impressões.

Abraços,

João Felipe Gomes.

http://lugardoleitor.blogspot.com.br/